Janeiro 18, 2021

EUA investigam esquema de propina em troca de perdão presidencial

Doadores de campanhas eleitorais usavam fundos para obter indulto, de acordo com documentos divulgados pela Justiça

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos investiga um possível esquema de pagamento de proprina à Casa Branca em troca de perdão presidencial, revelou um documento judicial publicado nesta terça-feira 1.

O texto foi divulgado pela juíza federal Beryl Howell, de Washington. O documento se refere a “um complô secreto” para pressionar “altos funcionários da Casa Branca” a obterem “um indulto ou adiamento da sentença” para uma pessoa não identificada. No entanto, o relatório tem diversos partes censuradas, e todas as informações que permitem a identificação de pessoas foram ocultadas.

O plano, investigado pelo menos desde agosto, supostamente incluía membros de grupos de pressão, advogados, um rico doador de campanha política e uma pessoa que está na prisão e espera obter ajuda presidencial.

Membros do complô contactaram funcionários da Casa Branca para pedir ajuda, relembrando “grandes contribuições em campanhas anteriores” e prevendo “grandes contribuições políticas” de um doador no futuro, de acordo com o documento do tribunal.

O texto sugere que o doador faz a proposta em nome da pessoa que busca o indulto presidencial. Não indica, porém, quando ocorreram essas tentativas de suborno e, nas partes que não foram riscadas, não há referência ao presidente Donald Trump, ou à sua campanha.

A notícia chega em um momento em que a mídia especula que Trump pode perdoar mais pessoas, depois de conceder a seu ex-conselheiro de Segurança Nacional Michael Flynn um indulto presidencial na última quarta-feira. Ontem à noite, Trump tuitou que “a investigação dos indultos é uma notícia falsa”.

Trump perdoou, ou reduziu, as sentenças de vários aliados políticos, incluindo seu conselheiro de campanha Roger Stone, o polêmico ex-xerife do Arizona Joe Arpaio e o ativista republicano Dinesh D’Souza.

O jornal The New York Times informou que Trump está considerando perdões preventivos para seu advogado, Rudy Giuliani, seus três filhos mais velhos, assim como para seu genro e conselheiro, Jared Kushner. O presidente ainda poderia conseder um perdão a sim mesmo pelos crimes de evasão fiscal, obstrução de Justiça e outros.

(Com AFP)

Continua após a publicidade

You may have missed

Cresta Help Chat
Send via WhatsApp